REGRAS PARA SE FAZER O POEMA VARANO

domingo, 3 de julho de 2016

SANTAIADA












Eu dou vivas a São Pedro
dei vivas a São João.
São José tá no meu nome
que só não tem esse São.
Santo Antônio camarada
me arrumou u’a namorada
com cintura de pilão!

Lá no céu também tem santa
como a Santa Genoveva
que antes de ir lá pra cima
tirava o povo da treva.
Era nascida na França
onde alguém desde criança
sem querer seu nome leva.

Mas louvo a todos os santos
que labutam lá no céu.
Me dou bem com todos eles
pra eles tiro o chapéu!
Peço a vocês que respeitem
e rezem quando se deitem
pois cada santo é um troféu!

Do céu vêm santos e santas
que não dá nem pra contar.
Se espalham pelo universo,
nem padre sabe o lugar;
tem alguns pelas igrejas...
(se houver santas sertanejas,
me avise que vou louvar!)

Tem santo gordo, tem magro,
tem santo feio e bonito
tem santo muito barbudo
tem santo que é esquisito
tem moreno, branco, preto...
tem santo impresso em folheto
e o grande São Benedito!

Tem santo casamenteiro
tem do povo endividado
tem das causas impossíveis
tem de solteiro e casado;
mas o que tem mais no mundo
é o santo que é vagabundo
− senador ou deputado!

Louvo à maioria dos santos,
quase toda a santaiada;
louvo a santa lá do céu
e a Santinha ali sentada,
que prepara o meu café,
em quem mais eu boto fé,
pois é comigo casada!

Nunca louvei a São Nunca
porque nunca me lembrei;
nunca vi a cara dele;
também nunca procurei;
entre os santos lá da igreja,
aqueles que a gente beija,
tem um que eu nunca beijei:

É um santo muito falado
só de lembrar fico rouco;
fazem dele até piada
mas dele sei muito pouco;
dizem que ele era corrupto
(pensei que fosse incorrupto)
− é o Santo do Pau Oco!

Contar tanto santo assim,
vai varar a madrugada;
por cada um que me lembro
tomo outra talagada.
Hoje tem festa no céu!
− Vou lá buscar meu troféu
por cada ‘santa cantada’!