REGRAS PARA SE FAZER O POEMA VARANO

segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

NÃO SE ARROGUE O DIREITO DE SER NÉSCIO, DÊ-ME UM SONETO, POR FAVOR!


Permita-me um soneto, por favor!
Desculpe-me... tem rima em minha vida.
Direi uns poucos versos de partida,
do muito que na vida tem valor!

Soneto é como o doce do licor,
em lábios já sedentos por bebida;
é bálsamo se a dor se faz sentida
e é cura − como o tempo − em dor de amor!

Assim faz o soneto com o poeta;
adoça a alma, encanta e o liberta
dos muitos desencantos da ilusão!

Permita-me um soneto, serei breve:
Que alguém jamais se arrogue ou, enfim, se eleve
− às custas do poder − ante a razão!