REGRAS PARA SE FAZER O POEMA VARANO

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

NATAL














Em noite clara, sob a lua luzidia,
Que em seu caminho prateava a imensidão,
Aos  três Reis Magos uma estrela aparecia
E lhes mostrava a mais nobre direção!

Um rancho humilde abrigava a manjedoura,
Onde nascia Jesus Cristo, o Salvador.
A humanidade era então a acolhedora
De um menino que viria a ser Senhor!

................................................................................
“Feliz Natal! ”  -  assim dizemos com alegria
. . . E muitas vezes nem lembramos de Jesus. . .
Trocamos beijos e presentes de Noel !

Queremos, pois, agradecer por este dia
A Jesus Cristo  -  que por nós morreu na cruz,
Enquanto vivos . . .  Neste imenso Carrossel.

Leave your comments
Deixe seus comentários

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

FAÇA SOL OU FAÇA CHUVA!













Peguei u’a estrada de terra
Lá pras bandas do sertão
Quando a chuva lá da serra
Levava tudo em roldão
Não se via o horizonte
Nem a serra ali defronte
Era água enchendo a fonte
Banhando meu coração!

Pedi a meu Deus do céu
Que me desse algum abrigo
Eu ali ficando ao léu
Corria grande perigo
Nesse instante abriu o sol
Ouvi cantar rouxinol
Vi as cores do arrebol
Falei: Deus está comigo!

A partir daquele instante
Minha estrada se abriu
Vi pedras de diamante
Coisas que nunca se viu
Apareceu seminua
Dizendo-me: eu sou tua
Mulher com traços de Lua
... Junto comigo partiu!

Até hoje quando vejo
No céu as nuvens de chuva
Lembro-me que foi num beijo
Com gosto de mel e uva
Que a mulher tão seminua
Fez de mim a sua rua
... E hoje comigo flutua
Faça sol ou faça chuva!

Leave your comments
Deixe seus comentários 

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

MUNDO FUGAZ (rondel)

A vida da gente é um trem de esperanças...
Nos leva pra longe, ou de longe nos traz!
Por trilhos sinuosos carrega as lembranças
Dos feitos bem feitos de um mundo fugaz!

É um trem carregado de choros e danças,
De ganhos e perdas, de luta e de paz...
A vida da gente é um trem de esperanças...
Nos leva pra longe, ou de longe nos traz!

As moças cacheadas, ou com belas tranças,
O tempo das farras, os fatos bisonhos...
Vêm todos à tona... Saudosas andanças,
E o trem continua... Em busca de sonhos...
A vida da gente é um trem de esperanças...

Leave your comments
Deixe seus comentários

sábado, 3 de dezembro de 2011

DE FOLGA DA LIDA (Galope à beira-mar)












Desceu chuvarada cobrindo o sertão,
Peguei meu cavalo, toquei a boiada,
Na estrada de terra, já toda alagada,
Sujei a perneira e até meu jibão,
Bem feito de couro, curtido na mão...
O gado na chuva parece gostar;
Vai ter muito pasto pra ele pastar...
Deixei a boiada e toquei meu berrante!
Saudoso, ecoou na colina distante
... Parti a galope pra beira do mar!

Deixei a boiada a salvo no pasto;
Dez dias corridos, mais de uma semana...
Lembrei com saudade da minha choupana...
Mais de uma semana é o tempo que eu gasto,
Pra ir e voltar nesse mundo tão vasto!
Vou ver minha amada, que está a me esperar...
Saudade do gado e saudade de amar!
De folga da lida vou ver meu amor,
Pegar meu cavalo, do campo umas “flor”
E vou galopando pra beira do mar!

Leave your comments
Deixe seus comentários

GALOPA COMIGO NA BEIRA DO MAR













Um dia eu vi uma flor se mexendo
Corri para perto pra vê-la, ansioso,
Não vi o que houve, fiquei curioso,
A flor que eu queria – que ali estava vendo,
Cantava, dançava, sorria correndo!
Pensei e perguntei-me: estarei a sonhar?
Eu vi uma flor a cantar e dançar?...
Eu nunca vi flor que se mexe e que canta!
Parece milagre, vai ver que ela é santa...
Rezei galopando na beira do mar!

Os anjos ouviram aquela oração;
Fizeram da flor meu abrigo de paz.
Peguei meu cavalo, ligeiro, sagaz,
E fui confirmar toda aquela versão.
Dei asas a ele, meu lindo alazão,
E fui galopando até avistar
Tão linda, tão bela, uma flor a cantar...
Tornou-se mulher, tem o nome de Lua,
Me segue na cama, em casa, na rua
... Galopa comigo na beira do mar!

Leave your comments
Deixe seu comentário